Skip to main content Skip to search

Blog

DRE – O que é e por que o meu negócio precisa dessa análise?

Todas as empresas do Brasil precisam seguir uma legislação que pede um controle periódico da situação contábil da empresa, um registro de movimentações, transações e posições financeiras com a finalidade de averiguar se está tudo indo conforme a lei. Todas essas informações são feitas anualmente ou trimestralmente através da DRE, sigla para Demonstração do Resultado do Exercício. Esse é um documento que resume os resultados não operacionais e operacionais de um determinado período.

É comum que os empreendedores fiquem perdidos ou tenham dúvidas sobre todas essas informações e como elas precisam ser classificadas. Por esse motivo, contratar um profissional contábil pode facilitar todo o processo.

A DRE reúne informações como:
– Despesas
– Indicadores de receitas
– Custos
– Investimentos
– Provisões apuradas

Depois de reunir todas essas informações é possível usá-las de forma inteligente para o crescimento da empresa e criar um planejamento estratégico baseado em dados. Por exemplo, você pode apresentar a DRE junto ao fluxo de caixa para fazer comparativos e sugestões, iniciando uma ação para gerar mais valor ao seu consumidor.

Pensando ainda nessa linha de análise, a DRE pode ter diversas funções que visam a melhora do seu negócio:

Análise vertical da DRE
Essa análise permite que você veja de forma mais clara quais as despesas que estão reduzindo os lucros e intervir de forma inteligente nesse problema para solucioná-lo.

Análise horizontal da DRE
Nesse contexto, a análise serve para entender a redução ou aumento das contas ao longo de um período. Identificando essas contas você pode criar um planejamento para resolver essa questão.

Ainda na DRE é possível ver alguns indicadores de resultado que ajudam a analisar de forma mais estruturada a parte financeira do seu negócio. Os principais são:

Margem operacional: indicador fundamental que mensura a eficiência operacional da empresa, através de um cálculo do resultado operacional e da receita líquida.

Margem de lucro líquida: é um cálculo que mostrará todas as despesas e impostos subtraídos do lucro bruto.

Percebeu como a DRE pode ser importante para o seu negócio? Todas essas informações podem trabalhar juntas para fazer a sua empresa superar os obstáculos e crescer ainda mais. Mas, pode ser complicado reunir os dados e analisá-los de forma estratégica, por esse motivo a ajuda da contabilidade é fundamental.

Se você tem interesse em iniciar essa análise no seu negócio, pode contar com a Contabilidade Souza.

Leia mais

Ponto de equilíbrio contábil: o que é e como calcular?

Se você tem um pequeno negócio ou uma empresa que visa o crescimento, é importante entender o que é o equilíbrio contábil e como calcular. Para começar, você deve ter conhecimento sobre o volume de vendas, porque é através dessa métrica de desempenho que se estabelece uma meta necessária para cobrir os custos e obter lucro.

Esse é o equilíbrio contábil, uma quantidade de vendas que sua empresa precisa ter para cobrir todos os custos variáveis e fixos, para então começar a ter lucro. É quando a receita total é exatamente igual à soma de custos e despesas. A partir desse número, você identifica o quanto precisa vender para bancar as operações sem ter prejuízo.

Para chegar ao equilíbrio contábil é preciso aprender a fazer o seguinte cálculo: despesas fixas para o ano dividido pela margem de contribuição ou porcentagem.

Cálculo
Despesas fixas para o ano ÷ margem de contribuição ou por unidade de produto = receita necessária para igualar os gastos.

Quando você calcula o equilíbrio contábil é possível gerenciar outros aspectos do seu negócio como:

– Orçamentos: determinar os efeitos das alterações nos custos fixos e variáveis.
– Equipe de vendas: tendo o ponto de equilíbrio como meta, os funcionários podem ver os resultados das vendas extras e aumentar o potencial de comissões.
– Estratégia de preços: com o ponto de equilíbrio pode-se avaliar o impacto da alteração dos preços dos produtos no volume de vendas e na lucratividade.

Percebeu o quanto o ponto de equilíbrio é importante? Com ele, sua empresa pode identificar qual caminho deve trilhar para começar a ter mais lucro.

Precisa de ajuda para identificar o equilíbrio contábil do seu negócio? Pode contar com a Contabilidade Souza, entre em contato.

Leia mais

O trabalho remoto pode ser um grande aliado para as finanças da sua empresa.

O home office se popularizou nos últimos meses devido à pandemia do novo Coronavírus, ocasionando uma verdadeira transformação no mercado de trabalho. Não podemos negar que essa mudança trouxe um novo olhar para as finanças empresariais.
Quem conseguiu fazer uma implementação eficaz do trabalho remoto se surpreendeu com os resultados e até está cogitando dar continuidade a essa modalidade, não só pela produtividade da equipe, mas pela economia nas finanças que o home office proporcionou. Falaremos de algumas:

Modernização das atividades
Para se adotar o home office é necessário modernizar uma série de atividades para manter o fluxo dos processos funcionando. Com a transformação digital, a automação ganhou espaço em diversas empresas e possibilitou que elas experimentassem mais organização e agilidade no trabalho, diminuindo gastos físicos. Além disso, o processo de recrutamento também se modernizou, sendo possível entrevistar candidatos somente pela internet.

Economia nos gastos variáveis
Com todos trabalhando de casa, houve uma redução drástica nos gastos de luz, água, internet e outros necessários para o funcionamento da empresa. A economia de recursos foi gigantesca, o que foi positivo, pois em um momento de crise economizar é a palavra-chave.

Importante lembrar nesse tópico que a empresa precisa arcar com os custos do home office, mas eles nem se comparam com a infraestrutura de um escritório.

Produtividade
Um ganho que foi surpresa para diversas organizações foi o aumento da produtividade dos funcionários. Muitos empresários ficaram receosos se os colaboradores seriam igualmente produtivos nessa modalidade, mas o resultado foi ótimo. Uma pessoa que trabalha em casa não gasta tempo no transporte, economiza alimentação, diminui o índice de atrasos e fica menos estressada. Isso tudo colabora com o bom desempenho no trabalho e evita gastos ocasionados por erros.

Esses foram os principais tópicos que ajudaram as finanças empresariais nesse momento de pandemia. Agora, é necessário fazer um planejamento para identificar quais serão os altos e baixos do mercado e manter sua empresa funcionando de forma saudável por muito mais tempo.

Leia mais

Acabou de se tornar MEI? Então fique de olho na sua Educação Financeira!

A educação financeira é primordial para todas as pessoas, mas quem é MEI possui necessidades a mais que vão demandar um controle financeiro bem maior. Isso porque é preciso manter seu negócio saudável, otimizar recursos e evitar desperdícios.

Veja outros benefícios de investir na educação financeira:
– Controle maior das despesas
– Controle do fluxo de caixa
– Planejamento mais eficaz para novos investimentos
– Melhoria da precificação de produtos e serviços

Porém, não é apenas começar a anotar tudo em um caderno, é preciso de organização e um entendimento básico sobre os termos contábeis que são comuns para microempreendedores. Além disso, saber analisar esses dados é importante para tomar as melhores decisões.

Mas, por onde começar? Vamos explicar quais são os principais dados que você deve acompanhar e planejar:

Capital de Giro
Essa é a reserva financeira para manter o negócio funcionando. É o dinheiro usado para comprar ferramentas, mercadorias e os itens essenciais para o funcionamento da sua empresa. No capital de giro, é importante lembrar de ter uma boa quantia, para assegurar o futuro do seu negócio caso aconteçam imprevistos.

Custos
Esses são todos os recursos financeiros de investimento. O valor é proporcional a quantidade de trabalho que será feito. Exemplos de custos são: matérias-primas, materiais, salários e encargos, impostos, tarifas, frete etc. Os custos devem ser sempre bem definidos e previstos para não afetar no seu planejamento.

Despesas
Como o próprio nome já diz, esse é o valor para manter o funcionamento da sua empresa, mas se difere dos custos. As despesas podem ser divididas em fixas e variáveis. Manutenção do espaço, equipamentos, internet etc, são exemplos de despesas fixas. Comissões, luz, telefone, horas extras etc, são exemplos de despesas variáveis.

Faturamento
É a soma de todas as vendas de um determinado período. É desse número que o governo calcula os impostos, além de ser um dos quesitos para o enquadramento no MEI. Caso o faturamento ultrapasse o valor especificado, o empreendedor pode ser enquadrado em outra categoria. Por esse motivo, é importante ficar de olho nesse número.

Fluxo de Caixa
É o básico para o planejamento financeiro, pois é por ele que você acompanha o desempenho diário do seu negócio. O fluxo de caixa, para ser melhor acompanhado, precisa ser feito em uma planilha ou em um sistema de gestão, para registrar todas as entradas e saídas. Esse controle também é importante para ter uma projeção dos resultados da sua empresa.

Esses são apenas os principais termos que você precisa ter conhecimento para iniciar um planejamento financeiro completo e que irá ser a base do seu negócio.

Deseja aprender mais sobre o assunto e implementar o planejamento na sua empresa? Então conte com a Contabilidade Souza!

Leia mais

Como a internet contribui com a comunicação entre contabilidade e cliente?

Já conversamos uma vez sobre como alguns avanços da tecnologia contribuíram em alguns processos do escritório. Agora, vamos falar como a comunicação foi afetada positivamente pela inovação.

Uma pesquisa realizada pela Xero, em 2016, mostrou que menos da metade dos pequenos empreendedores planejavam conversar pessoalmente com os contadores. Mas, isso não quer dizer que a contabilidade está ficando para trás, muito pelo contrário, houve crescimento na procura por conselhos, serviços e consultorias contábeis nos últimos anos.

Isso só mostra que as tecnologias estão facilitando o contato com o cliente e fazendo com que ele entenda a importância do serviço contábil para o seu negócio. Graças a conexão em tempo real e o acesso rápido a informação, a contabilidade está mais próxima dos clientes.

Se você ainda não inovou no seu processo de comunicação com os clientes, confira essas dicas de ferramentas para implementar hoje mesmo:

E-mail
Sabemos que o e-mail não é novidade, mas ele ainda não perdeu sua função. De modo geral, ele não é uma ferramenta de comunicação instantânea, mas é primordial para construir um relacionamento com o cliente.

WhatsApp Business
Na contabilidade, ele está em uma das formas mais eficazes de comunicação, com funções exclusivas diferentes do WhatsApp “normal”, como categorizar as mensagens por tema, analisar estatísticas, configurar respostas etc.

Aplicativos para digitalizar documentos
Ficar dependendo de papéis físicos para concluir uma tarefa já não cabe mais atualmente. Existem diversos aplicativos que permitem digitalizar documentos e assinaturas para disponibilizá-los na hora, evitando pilhas de papéis e atraso no processo.

A dica bônus é que você pode implementar as ferramentas gratuitas do Google como o Drive, Planilhas e Documentos para criar, editar e compartilhar arquivos online, com muita facilidade e praticidade!

Precisa de uma contabilidade? Entre em contato e vamos conversar!

Leia mais

Fator “r” e sua importância para as empresas!

O raciocínio é: esse fator surgiu como uma forma de evitar que as empresas, principalmente as de pequeno porte, pagassem um volume excessivo de tributos.

A maneira como os tributos são cobrados hoje pode gerar desvantagens para pequenas e médias empresas. Isso porque o Simples Nacional surgiu com um regime tributário que garante menor tributação com uma alíquota unificada. No entanto, o imposto é calculado apenas sobre o faturamento bruto da empresa. Mas, é importante lembrar que os salários, encargos e pró-labore são custos significativos de um negócio e mesmo que a empresa apresente prejuízo em relação a esses fatores, ela ainda é obrigada a pagar imposto.

Por esse motivo, o fator “r” entra como um facilitador para a vida do pequeno e médio empresário, permitindo que paguem alíquotas mais baixas e menos impostos. Essa foi uma saída que o Governo encontrou para incentivar o emprego e a economia. O raciocínio era: quanto mais funcionários, menor o imposto a ser pago.

Então, o fator “r” é um cálculo que relaciona os gastos da folha de pagamento e o faturamento bruto dos últimos 12 meses e demonstra o valor que é destinado ao pagamento de salários.

Porém, não são todas as atividades que podem passar pelo fator “r”, isso irá depender do nível de utilização de mão de obra remunerada pela empresa.

Para calcular é bastante simples, basta dividir o valor da folha de salários pelo faturamento bruto. Quando nos referimos a folha de salários, estamos falando de todo o valor pago em folha de pagamento nos últimos doze meses, incluindo 13º salário, encargos, retirada de pró-labore e valores efetivamente recolhidos para o INSS e FGTS. Já o faturamento bruto, é o que foi aferido no mercado interno e externo nos últimos 12 meses em relação ao período de apuração.

Tendo esses dois valores em mãos, a fórmula da conta ficará assim:
Fator “r” = FSPA / RPA

Dependendo da porcentagem obtida por esse cálculo, as atividades podem ser tributadas tanto no Anexo III como no Anexo V. Quando o resultado for igual ou superior a 28% ou 0,28, vai para o Anexo III. Se o percentual for inferior a esses valores, o serviço será tributado no Anexo V.

Deseja saber mais sobre o fator “r”, os Anexos III e V e como sua empresa pode usar esse cálculo? Entre em contato com a Contabilidade Souza!

Leia mais

MP 936: A redução da jornada de trabalho é um aspecto positivo ou negativo?

Desde o início da quarentena, empresários têm buscado alternativas para enfrentar o período de crise e manter o negócio funcionando sem prejudicar os colaboradores.

Uma das medidas tomada pelo Governo Federal foi a redução da jornada de trabalho, que visa evitar o desemprego. Houve muita repercussão e bastante discussão sobre o tema.

Para te ajudar, vamos explicar brevemente como essa MP funciona

A medida provisória 936, autoriza a diminuição da jornada de trabalho e dos salários em até 100%, com uma compensação paga pelo governo. Mas para isso, ela estabelece regras que as empresas devem seguir.

As reduções devem ser proporcionais e a União deverá entrar com uma compensação para garantir que os trabalhadores recebam o salário. Essas valores vão depender de dois fatores: o salário e a porcentagem da redução feita pela empresa.

Além disso, para que a empresa consiga fazer essa medida, ela precisa comprovar que está com problemas financeiros e firmar um acordo com o sindicato representante dos colaboradores. Esse acordo deverá ser homologado na Delegacia Regional do Trabalho e o empresário deve seguir as seguintes regras:

– Estabelecer um prazo certo, que não exceda 3 meses
– Dar possibilidade de prorrogação
– A redução não ser superior a 25% do salário previsto no contrato
– Respeitar o salário mínimo da região
– A redução deve ser proporcional a remuneração e as gratificações dos cargos de decisão

Entendendo como essa medida provisória funciona, é possível começar a visualizar os impactos que ela pode gerar no mercado. O primeiro aspecto é a diminuição da qualidade de vida dos colaboradores, que perdem seu poder de consumo e tentam buscar outras alternativas para completar a renda. Para os empresários, a empresa também sofre diminuição de produção e venda, já que o consumidor quer economizar nesse período incerto.

Além desses fatores, a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia mostrou que 3,51 milhões de contratos formais foram alterados entre os dias 1 de abril e 23 de abril de 2020.

Muitas pessoas não acham essa medida ideal, apesar dela prometer manter o vínculo entre empresas e funcionários no momento de crise. Muitos colaboradores estão com o pé atrás, apesar de ser uma medida que visa amenizar os impactos na economia.

E você, o que acha da MP 936?

Leia mais

O trabalho da contabilidade no ambiente digital

O ambiente digital chegou como um facilitador para o mercado contábil, tanto para os clientes, como para os contadores!

No início, alguns escritórios enxergaram a migração para o digital como uma ameaça, mas quem possuiu olhar visionário de mercado, percebeu que essa seria a oportunidade perfeita para aprimorar os serviços contábeis e oferecer mais praticidade e segurança para o trabalho.

Nesse novo cenário, a contabilidade se torna mais produtiva, prática, rápida e com menos chances de erros, já que as atividades manuais são reduzidas e o uso de pilhas de papéis se torna obsoleto. O objetivo da contabilidade hoje é aproximar contador e cliente, para um relacionamento que agregue mais valor.

Como funciona o trabalho da contabilidade no ambiente digital?

Nessa modalidade, o cliente pode adotar um software de gestão empresarial que permite gerir e analisar melhor seu negócio. O controle financeiro, de estoque, vendas, fornecedores, nota fiscal, boletos etc são otimizados e o contador pode oferecer previsões melhores para as tomadas de decisão. Além disso, existem outros benefícios:

-Aumento da produtividade
-Redução dos custos
-Automatização de processos
-Menos erros
-Facilidade de acessar e receber arquivos
-Redução do tempo das tarefas
-Entrega de informações precisas em tempo real

Se interessou? Quer conduzir sua empresa pelo processo de digitalização da contatabilidade?

A Contabilidade Souza oferece serviços online:
-Certidão Municipal de Belo Horizonte
-Certidão de Débitos Federais e Dívida Ativa
-Certidão de Débitos Trabalhistas
-Certidão do FGTS
-Simulação do IRPF
-Abertura de MEI
Além de se adaptar junto com o seu negócio para o ambiente digital!

Entre em contato!

Leia mais

Negócios digitais: como fazer?

Os negócios digitais estão se popularizando como forma mais prática de iniciar um empreendimento! Essa mudança de hábito vem de dois principais motivos: o e-commerce possui baixo custo de investimento e manutenção e a migração do público para o digital está cada vez mais sólida.

Se você é um empreendedor que deseja abrir um negócio online, é preciso levar em consideração algumas questões. Existem várias formas de ingressar nesse universo para ganhar dinheiro, confira algumas:

Produtor
Essa é a pessoa que cria conteúdos para serem consumidos na internet. Esses conteúdos podem ter diversos formatos como e-books, podcasts, vídeos, cursos etc. Para se tornar um produtor, é necessário ter conhecimento que seja útil para as pessoas.

Afiliado
Esse é o profissional que divulga o produto de terceiros em troca de comissões. Vem ganhando bastante espaço no mercado, sendo uma profissão bastante divulgada para quem tem influência online, mas não quer criar o próprio conteúdo.

E-commerce
Área conhecida por muitos, o e-commerce nada mais é que o comércio online. Geralmente são lojas virtuais onde disponibilizam seus produtos e entregam na casa do consumidor.

Essas são somente algumas possibilidades. Depois de escolher como deseja atuar, é preciso entender como montar esse negócio digital, pois apesar de ser mais simples que um empreendimento físico, ainda possui alguns processos a serem feitos da maneira correta.

Planeje seus gastos
Todo empreendimento, seja online ou não, envolve gastos e o empreendedor que não se prepara para isso, pode ter dificuldades em chegar nos resultados esperados.
Faça uma planilha com todos os possíveis gastos que você terá com fornecedores, plataformas, ferramentas, funcionários etc. Tenha também um dinheiro de reserva, pois nem sempre as coisas saem como o planejado.

Fique em dia com a documentação
Os documentos variam muito dependendo do tipo do negócio e do estado em que você vive. Mas, alguns são obrigatórios:
-RG e CPF
-Comprovante de endereço
-Se casado(a), certidão de casamento
-Cópia do IPTU ou documento que conste a inscrição imobiliária ou a indicação fiscal do imóvel onde a empresa será instalada.

Tenha como parceira uma contabilidade de confiança
Escolher uma boa empresa de contabilidade é um dos pontos mais importantes para abrir uma empresa, pois será ela que ficará responsável por toda a parte contábil e burocrática do processo.
Antes de iniciar seu negócio, o contador é o responsável para que o empreendimento seja aberto em conformidade com a lei.

Precisa de ajuda com a abertura de um negócio online? Conte com a Contabilidade Souza!

Leia mais
Fale com a Contabilidade Souza
Enviar