Skip to main content Skip to search

Blog

Imposto de Renda 2020, já é hora de preparar!

É importante deixar os documentos preparados e ficar de olho nas mudanças da Declaração do Imposto de Renda para não cair na malha fina!

 

A entrega do IR só começa no início de março, mas é importante estar preparado para se antecipar e entregar a papelada no início do prazo. Isso porque quem entrega cedo, tem mais chances de receber a restituição primeiro, além de ter mais tempo para corrigir possíveis erros. 

Confira algumas dicas para se antecipar e ficar em dia com o Fisco: 

  1. Se você realizou operações como consórcio, empréstimos, heranças e pensões, já deixe todos os papéis juntos e organizados. 
  2. Se você possui outras fontes de renda como aluguel e pensão alimentícia, é necessário recolher mensalmente o Carnê-Leão, que é uma antecipação do Imposto de Renda do ano seguinte. Caso não tenha pago o de 2019, você pode se regularizar acessando o site https://receita.economia.gov.br/orientacao/tributaria/pagamentos-e-parcelamentos/pagamento-do-imposto-de-renda-de-pessoa-fisica/carne-leao/carne-leao
  3. Se vendeu ou comprou algum imóvel ou carro é necessário ter os documentos em mãos. Em caso de financiamento, anote o nome do banco, número do contrato, o montante financiado, número e valor das prestações, além do valor de entrada. 
  4. Se foi demitido em 2019 é necessário pegar o informe da antiga empresa. 
  5. Recupere a declaração do ano passado. Esse documento vai agilizar o preenchimento de diversos campos! 
  6. É a primeira vez que vai declarar? Você vai precisar do CPF, título de eleitor, dados residenciais e da sua profissão. Se o estado civil for casado, será necessário o CPF do cônjuge. 

 

Como sei se já posso declarar o Imposto de Renda? 

É obrigado a declarar quem recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma foi superior a R$ 28.559,70 ou tenha recebido rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil. 

Você sabia que uma pessoa física também pode ter uma contabilidade? Fica mais fácil de resolver a parte burocrática, assim como o Imposto de Renda! 

Leia mais

Como abrir um MEI?

Confira um passo a passo para usufruir vantagens de ser Microempreendedor Individual – MEI! 

 

O MEI é uma modalidade criada no Brasil para que os trabalhadores informais estejam dentro da legalidade, oferecendo inúmeras vantagens em comparação ao regime de trabalho CLT. Quando se é um microempreendedor individual, não é necessário pagar taxas de registro e diversos impostos, além de ter acesso a benefícios como o da previdência social (INSS), auxílio-doença, aposentadoria por idade e salário-maternidade.

Vamos colocar a mão na massa? Confira como se tornar um MEI:

  1. Para começar é necessário conferir a lei nº 128/2008 e ver os critérios exigidos para que o empreendedor se encaixe no microempreendedor individual.
  2. Está tudo ok? Agora faça seu cadastro no site Plataforma gov.br.
  3. Após o cadastro é preciso iniciar sua inscrição no www.portaldoempreendedor.gov.br.
    1. A inscrição é feita informando os dados da sua conta Brasil Cidadão.
    2. Autorize o acesso aos seus dados pelo Portal do Empreendedor – Área do Usuário da Redesim.
    3. Se for solicitado, informe o número do recibo da sua declaração de Imposto de Renda ou do Título de Eleitor.
    4. Informe o número do seu telefone celular e na sequência, o código SMS enviado para você.
    5. Confira os dados carregados pelo sistema e preencha as informações solicitadas.
  4. Cadastro Feito! Agora é o momento de escolher o nome fantasia da sua empresa. É necessário marcar as atividades que irá realizar, deixando uma ocupação como a principal. 
  5. Coloque o CEP de onde irá funcionar sua empresa, pode ser residencial ou comercial.
  6. É importante ler todo o conteúdo e optar pelo Simples Nacional. Marque todas as opções que aparecerem e concorde pelo Simples. 
  7. A última etapa é digitar o código de confirmação que irá receber no celular cadastrado.

Pronto, você já é um MEI!

Agora que você já está regularizado, é importante guardar os seguintes documentos: 

– Certificado da Condição de Microempreendedor Individual – É o documento que comprova que você é MEI.

– Boleto de Pagamento Mensal (DAS) – É o documento para o pagamento da contribuição mensal devida pelo MEI.

– Relatório Mensal de Receitas Brutas (um para cada mês) – não é obrigatório, mas o modelo para o registro das receitas mensais é importante para auxiliá-lo a fazer a Declaração Anual Simplificada (DASN).

 

O Microempreendedor individual também pode ter uma contabilidade! É importante para analisar a saúde financeira da empresa, evitar erros em declarações e a auxiliar nos processos de abertura do MEI.

Ainda tem dúvida sobre como se tornar MEI e precisa de ajuda? Conte conosco.

 

Leia mais

Gestão financeira para pequenas empresas

Pequenos comércios, padarias, salões de beleza e pequenas lojas também precisam de uma gestão financeira de qualidade e eficaz, o que ajuda na economia e faturamento no final do mês! 

 

É uma realidade das micro e pequenas empresas deixar a parte burocrática de lado. Isso geralmente acontece devido a grande demanda de atividades do dia a dia, além do desconhecimento que o empresário tem sobre contabilidade, o que ocasiona na perda de horas preciosas analisando papéis. 

É importante compreender como funciona o fluxo da sua empresa, os valores de entrada, saída e despesas para identificar qual a realidade do seu negócio e trabalhar em uma gestão que vise o crescimento e lucro. 

Que tal começar agora mesmo? Os primeiros passos são os mais importantes: 

  1. Conheça e anote os seus vencimentos: tenha controle e registro de todos os fornecedores, impostos ou contas de consumo da empresa.
  2. Não misture finanças pessoais com empresariais: pode parecer mais fácil no início, mas mesmo que a empresa seja totalmente sua e todo o dinheiro necessário para o início tenha sido seu, no meio do processo não será mais possível identificar o que é seu e o que é da empresa.
  3. Mantenha o controle de estoque: além dos produtos e materiais disponíveis, o estoque tem dinheiro em bens que influenciam nas finanças atuais e de curto prazo. 
  4. Mantenha seu fluxo de caixa impecável: essa é a base da boa gestão financeira, pois registra todas as entradas e saídas de dinheiro, o que dará suporte ao planejamento financeiro e às análises mensais.

Após esses passos, o controle da sua empresa ocorrerá de forma fácil e será possível planejar o futuro com mais segurança! 

Você já pensou que uma contabilidade pode fazer a diferença no seu negócio? Com ela, você não precisará se preocupar com os processos burocráticos e sobrará mais tempo para gerir a sua empresa! 

 

Leia mais